AMRIGS - Associação Médica do Rio Grande do Sul
    
 
Área do Associado



 


 

 
   
 

INCA estima cerca de 600 mil casos novos de câncer para 2018

Lançamento das estimativas marcou a comemoração do Dia Mundial do Câncer, que contou também com debate sobre fake news

Para comemorar o Dia Mundial de Câncer, o INCA lançou a publicação Estimativa 2018 – Incidência de Câncer no Brasil.  Com exceção do câncer de pele não-melanoma, os tipos de câncer mais frequentes serão os cânceres de próstata (68.220 casos novos) em homens e mama (59.700 mil) em mulheres. Além dos citados, completam a lista dos dez tipos de câncer mais incidentes: cólon e reto (intestino – 36.360), pulmão (31.270), estômago (21.290), colo do útero (16.370), cavidade oral (14.700), sistema nervoso central (11.320), leucemias (10.800) e esôfago (10.970).

“Esta publicação é uma fotografia do cenário atual do câncer no Brasil e uma importante ferramenta para o controle da doença, uma vez que auxilia no planejamento de políticas públicas e gestão dos recursos, além de alertar a população para a adoção de hábitos saudáveis", ressaltou a diretora-geral do INCA, Ana Cristina Pinho.

“A incidência de câncer no mundo cresceu 20% da última década. O impacto se dá principalmente nos países de média e baixa renda", explicou Marceli de Oliveira, da Divisão de Vigilância e Análise de Situação, da Coordenação de Prevenção e Vigilância (Conprev) do INCA. O câncer de intestino ocupa a cada dia mais espaço, como nos países desenvolvidos, mas ainda há regiões com cânceres relacionados a infecções, como colo do útero e estômago, entre os mais prevalentes.

Seguindo o tema global da União Internacional para Controle do Câncer (UICC), “Nós podemos, eu posso", foram apresentados no evento vídeos com depoimentos de pessoas que tiveram câncer, para compartilhar as histórias e reduzir o estigma social da doença. O compositor Neguinho da Beija-Flor, que teve um câncer de intestino, enfatizou, no vídeo, a importância do apoio da família, amigos e diversas pessoas para a recuperação.

Para Fabiani Monteiro, ex-paciente do INCA, que participou de um vídeo e recebeu uma homenagem no evento, a maior dificuldade foi o momento do diagnóstico. “Quando descobri o nódulo, pensei, perdi meus filhos", disse Fabiani. “Tenho muito a agradecer e hoje tento ajudar as pessoas que estão passando pelo que eu passei".

Na cerimônia, foi realizado também o debate “Fake News, saúde e câncer", com especialistas do INCA e de outras instituições, para discutir a divulgação de notícias falsas, principalmente, via mídias sociais, que podem dificultar a prevenção e o tratamento da doença.

“Podemos usar os ambientes virtuais a nosso favor. No HCIII, nós temos grupos de pacientes no WhatsApp e usamos para tirar dúvidas e desmistificar questões", afirmou o diretor do Hospital do Câncer III, Marcelo Bello.

Luciana Maya, nutricionista da Conprev/INCA, explicou que não há alimentos milagrosos e que o desafio é promover o reconhecimento social de que o câncer é uma doença prevenível por meio da alimentação e nutrição.

“Diante de situações críticas, é natural que o ser humano queira encontrar informações. O apoio social, psicológico, também é tratamento. Fizemos uma pesquisa que mostrou que o paciente reage melhor quando tem apoio", contou Liz Almeida, chefe da Divisão de Pesquisa Populacional do INCA. “O profissional de saúde tem a responsabilidade de passar a informação correta, que temos hoje", reforçou.

Para Ana Rita Cunha, jornalista do site de checagem de notícias Aos Fatos, é importante que as pessoas tenham uma atitude responsável ao compartilhar notícias, pois a informação incorreta pode chegar a uma pessoa que acabou de receber a notícia de uma doença, e pode estar fragilizada.

“O boato está disputando com verdade. Para quem propaga, é verdade”, afirmou Igor Sacramento, pesquisador de Comunicação e Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Igor explicou que o nosso sistema de crenças, de confiança, mudou ao longo da modernidade. “Além disso, o boato se sofisticou, já há vídeos que simulam reportagem de TV, no formato de notícia, e ganham status de notícia”, completou.

Segundo Euler Siqueira, sociólogo e pesquisador do Instituto Multidisciplinar da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), o fenômeno deve ser percebido como fato social. “O que importa é estar em relação com o outro. Receber e passar adiante”.

O debate foi mediado pelo diretor de jornalismo da BandNews FM, Rodolfo Schneider, e transmitido ao vivo na página do Facebook da emissora.

Fonte: Ascom Inca
Fotos:
Data: 05/02/18      Atualizada em: 05/02/18
Tags: câncer , casos , doença ,









 
ARTIGOS

Conscientização e prevenção sobre a Doença Falciforme
Dr. Alfredo Floro Cantalice Neto
Em defesa do plano de carreira no setor público
Dr. Alfredo Floro Cantalice Neto
Falando sobre depressão sem preconceito
Dr. Jair Escobar
Ver Todas
JORNAL AMRIGS

Ver Todas
REVISTA DA AMRIGS

Ver Todas
AMRIGS NA MIDIA

Ver Todas